Passeio de barco em Manaus: da Interação com botos ao Encontro das Águas

Passeio de barco em Manaus – desde a Interação com botos até o Encontro das Águas

Já tinha rodado por vários países antes de conhecer Manaus e um pouco da nossa Amazônia. Toda vez que viajava e dizia que era brasileiro algum gringo me falava dos maravilhas da maior floresta tropical do mundo e me mostrava as fotos da interação com botos e eu ficava com aquela cara de dúvida, afinal eu ainda não conhecia.

A diversidade de Floresta Amazônica encanta turistas de todo o mundo. Passeio de barco em Manaus
A diversidade de Floresta Amazônica encanta turistas de todo o mundo

A impressão que tenho é que ainda nós brasileiros não nos demos conta desta parte do Brasil, tão rica natural e culturalmente onde a natureza dá um show de grandiosidade.

O safári amazônico

Este passeio de barco em Manaus é muito comum para quem visita a capital do Amazonas, sendo que a proposta é explorar regiões próximas à cidade em um passeio de um dia.

A saída é as 9h e o retorno as 16h e geralmente inclui almoço, guia bilíngue, taxa de embarque e de visitação

Saindo do porto, o passeio de barco em Manaus começa a subir o Rio Negro em direção à plataforma flutuante de interação com botos.

Além dos famosos catamarãs é possível fazer um cruzeiro pela região
Além dos famosos catamarãs é possível fazer um cruzeiro pela região

A viagem segue com destino à uma comunidade indígena para participar de um ritual de apresentação. Logo após descemos o Negro passando pela orla da cidade em direção ao Parque Ecológico Janauary para visitar as vitórias-régias.

É neste local que é servido um almoço regional com cardápio à base de peixes, carne ou frango, saladas e acompanhamentos. Depois o passeio segue em direção à comunidade de casas flutuantes do Catalão e logo após a lancha vai em direção ao famoso Encontro das Águas.

Interação com botos

Para mim este é um dos pontos altos do passeio de barco em Manaus, onde pequenos grupos entram no rio junto a um guia que atrai os botos.

Caso o grupo seja grande é preciso esperar, pois não entram todos na água de uma só vez. Fiz este passeio com bastante cautela e perguntei antes quando ao impacto aos animais, lembrando que sempre procuro fazer atividades que respeitem o meio ambiente, aliás tenho um artigo onde falo sobre isso.

A interação com botos no Rio Negro
A interação com botos no Rio Negro

O grande barato deste passeio são os saltos do boto em direção à comida oferecida pelo guia. Pelo que me informei até os saltos são contados de forma que o animal não perca seu instinto selvagem.

Minha experiência foi muito legal, pois como viajava sozinho fui um dos últimos a entrar na água, pois as outras pessoas queria entrar com suas famílias e amigos. Ficamos na água somente em duas pessoas brincando o boto.

Fui bem sortudo e consegui este momento único na interação com botos
Fui bem sortudo e consegui este momento único na interação com botos

Foi bem interessante que várias vezes ele esbarrava em mim e podia sentir sua pele, a qual tinha um toque meio “emborrachado”. Como queria registrar o momento deixei meu celular com uma menina que gentilmente tirou várias fotos para mim.

Comunidade Indígena

Depois de navegar desde a plataforma de interação com os botos chegamos numa bonita maloca ás margens do Rio Negro, onde somos recepcionados por índios, que acompanham cada pessoa até a grande cabana.

Maloca é um tipo de cabana comunitária utilizada por alguns nativos indígenas da região amazônica, notadamente na Colômbia e Brasil. Cada tribo tem sua própria espécie de maloca, com características únicas que ajudam a distinguir um povo do outro. Fonte: Wikipedia

 

Esta parte do passeio de barco em Manaus onde procuro descrever com um pouco de cautela, pois não gosto de atividades onde o ser humano é a atração, ou seja, uma espécie de “safári humano”, o qual explico também neste artigo .

Pode parecer que fui contraditório, mas não consegui muitas informações anteriores. Sendo assim, se você amigo leitor souber de algo que desrespeite os índios neste passeio por favor deixe um comentário, ok ?

 

Os índios recepcionando os turistas às margens do Rio Negro
Os índios recepcionando os turistas às margens do Rio Negro

Neste local os índios explicam o dia a dia, falam sobre espiritualidade e convidam os turistas a dançar com eles. Para confessar, fiquei um pouco constrangido, porém de forma geral procurei observar o ritual com muito respeito e admiração. Independente de tudo, foi um experiência legal e com um visual muito bonito para o Rio Negro.

Os índios apresentando um ritual
Os índios apresentando um ritual

Meu constrangimento se deve muito ao respeito pela cultura, de forma que não gostaria de participar de um programa só “para turista ver”. Não é uma crítica, apenas um comentário sobre a experiência. No mais, não vi nada de desrespeitoso, mas já vi relatos de turistas fazendo brincadeira com a nudez dos índios.

Parque Ecológico Janauary

O Parque Janauary possibilita uma experiência light na Amazônia. O local concentra vários ecossistemas da região e é super acessível aos turistas.

O local possui áreas de terra firme, várzea e igapós, porém a protagonista aqui são as vitórias-régias, a planta que pode chegar a 2 metros de diâmetro. Através de uma passarela rústica chegamos a uma espécie de mirante para admirar a bela flor amazônica.

A beleza das Vitórias Régias no Janauary
A beleza das Vitórias Régias no Janauary

Caminhando pela passarela fomos recepcionados por vários macacos que ficavam pulando e brincando na nossa frente.

Os macaquinhos dando um show pra gente
Os macaquinhos dando um show pra gente

No local também tem uma loja de artesanato, onde tem algumas peças bastante interessantes. Também é no parque Janauary que é servido o almoço, o qual foi farto e com deliciosos peixes.

A loja de artesanatos no Parque Janauary
A loja de artesanatos no Parque Janauary

Casas flutuantes de Catalão

Após o almoço voltamos ao barco e seguimos para as casas flutuantes de Catalão. Confesso que gostei bastante desta parte do passeio, pois foi muito legal ver as casas de madeira boiando no rio.

As casas flutuantes da comunidade de Catalão
As casas flutuantes da comunidade de Catalão

Existem mais de 100 casas nesta comunidade onde as ruas são de água. Durante as cheias, quando o nível do Rio Negro aumenta e alaga kilometros de margens a vida permanece normal por ali.

Mas não pense que é uma festa, onde você pode chegar lá, fazer uma casa e começar a “flutuar”, existe uma associação de moradores que se preocupa com a construção de novas casas, já que não há espaço para todos.

Bares e restaurantes também flutuam sobre as águas do Rio Negro
Bares e restaurantes também flutuam sobre as águas do Rio Negro

As casas flutuam graças a uma madeira chamada açacu, que fora da água estraga em 2 anos, porém molhada pode durar décadas.

E a vida segue tranquila pelas águas do Rio Negro
E a vida segue tranquila pelas águas do Rio Negro

O Encontro das Águas

Talvez este seja um dos fenômenos mais conhecidos no Brasil, onde as águas no Rio Negro e Solimões se encontram mas preferem seguir separadas por 6 Km, juntando-se somente depois onde formam o Rio Amazonas.

Pela foto não é possível mostrar toda a beleza do Encontro das Águas
Pela foto não é possível mostrar toda a beleza do Encontro das Águas

Enquanto o Rio Negro tem uma coloração que parece chá-preto, o Solimões é mais barrento, com uma cor creme. A composição dos rios é diferente em vários aspectos como velocidade que o rio flui, temperatura e composição. Estas características são as que impedem dos rios se misturarem tão facilmente.

É difícil falar o melhor lugar para ver as linhas que separam os dois rios, mas com certeza quanto mais alto estiver melhor, pois daí teremos uma visão mais completa. Eu fiquei feliz com minha experiência, não consegui as melhores fotos mas o fenômeno está gravado na minha mente.

Os rios seguem assim sem se misturar por 6km
Os rios seguem assim sem se misturar por 6km

Minhas percepções

As viagens para o Amazonas podem ser feitas de várias formas, até de cruzeiro. Outras opções são os hotéis de selva, onde o preço pode ser bem salgado.

Acredito que este passeio de barco em Manaus é imprescindível para quem visita a região, principalmente pela interação com botos. Porém não esqueça que tem muito mais!! Existem cidades como Presidente Figueiredo, onde é possível visitar cachoeiras e estar em contato com a natureza.

A bela ponte sobre o Rio Negro conectando Manaus e Iranduba
A bela ponte sobre o Rio Negro conectando Manaus e Iranduba

E aí, gostaram de mais esta dica sobre o passeio de barco em Manaus ?

** Este artigo não recebeu nenhuma espécie de patrocínio e reflete as opiniões pessoais do autor.

Compartilhar:

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *