Serra do Cipó Minas Gerais: informações, dicas, como ir, onde ficar, trekking e trilhas de bike

Serra do Cipó Minas Gerais

Localizada pertinho de Belo Horizonte, a Serra do Cipó é destino certo para os fins de semana para os habitantes da capital.

O Parque Nacional da Serra do Cipó Minas Gerais foi criado em 1984 com o objetivo de preservar toda a diversidade da região, não foi a toa que Burle Marx a chamava de “Jardim do Brasil”. Caminhando pelas trilhas, não é necessário um olhar muito observador para notar a diversidade de flores. A parte baixa do parque é caracterizada pelo cerrado, já a parte alta tem os chamados Campos Rupestres. Conversando com o pessoal que trabalha no parque eles me disseram que é comum às vezes ter sol na parte baixa e chover na parte alta.

O Parque tem duas portarias: Areias e Retiro. Cada um com seus atrativos que são: montanhas, cachoeiras, rios, vales e lagoas. Na entrada Areias basicamente estará percorrendo o Vale do Rio Mascate e na Retiro o Vale do Rio Bocaína.

Serra do Cipó Minas Gerais - O Jardim do Brasil
Serra do Cipó Minas Gerais – O Jardim do Brasil

O Parque Nacional da Serra do Cipó Minas Gerais

O Parque Nacional abraça o distrito da Serra do Cipó em Santana do Riacho. Basicamente na entrada da Serra do Cipó, vindo de Belo Horizonte temos a entrada pela portaria Areias,  e na saída, perto da Padaria do Cipó, subindo a rua, temos acesso à portaria Retiro.

O Parque tem entrada de graça e funciona todos os dias das 08:00 as 18:00, é uma área gerenciada pelo ICMBio.

A entrada da Portaria Areias e o dia dos 40Km de bike
A entrada da Portaria Areias e o dia dos 40Km de bike

Como chegar ao Parque ?

Imagine uma cidade bem pequena, super charmosa e rústica, assim é a Serra do Cipó. O distrito se limita ao entorno da rodovia que atravessa a cidade.

As pousadas se localizam perto do centrinho e também nas proximidades das duas portarias.

O acesso à Serra do Cipó de Belo Horizonte demora umas 2h e é feito pelas companhias de ônibus Saritur e Serro. Lembre-se que não existe um ponto final na Serra do Cipó, sendo assim ao reservar sua pousada pergunte onde é o ponto mais próximo, daí é só informar ao motorista que ele para de boa.

Se vier do aeroporto de Confins é um pouco mais perto. Aí basta tomar um ônibus do aeroporto para Lagoa Santa e depois para a Serra do Cipó, o qual demora uma hora aproximadamente.

Lembre-se que o aeroporto de Confins está no meio do caminho entre BH e a Serra do Cipó.

Se você estiver de carro na cidade, tudo fica fácil. Do centrinho, vamos dizer que são 10Km para a Portaria Areias e 4Km para a Portaria Retiro. Mas se não estiver de carro, pode fazer algumas coisas: acertar com a pousada (a minha me levou ao parque sem cobrar nada), pedir carona, ir a pé (mas lembre-se que depois terá as trilhas no parque) ou alugar uma bike.

Relaxando um pouco
Relaxando um pouco

Portaria Areias

Por esta entrada do parque temos acesso à vários atrativos. Logo na portaria pergunte aos guias sobre o “Cardápio” , lá você terá todas as informações das trilhas: se dá pra fazer de bike, dificuldade, inclinação e quanto tempo.

No acesso ao parque, logo na entrada, você pode alugar uma bike, quando fui estava R$ 50,00 com suspensão e R$ 40,00 sem para o dia todo.

Ali também poderá comprar água, já que dentro do parque não tem nenhum outro lugar para comprar.

Os atrativos desta portaria são:

Cachoeira Capão dos Palmitos: fiz no primeiro dia, são 10Km ao total, é uma trilha bem aberta, que vai ganhando altitude, o legal desta trilha é notar a diversidade de cores das plantas. Fiz esta trilha num feriado e fiquei praticamente o tempo todo sozinho, super tranquilo!!

De boa no Capão dos Palmitos
De boa no Capão dos Palmitos

A cachoeira é pequena e tem dois poços para nadar, as águas são transparente e cheia de peixinhos.

Encontro dos Rios: não fiz esta trilha, porque tinha viajado a noite toda e já tinha feito o Capão dos Palmitos, mas ela leva ao encontro do rio Mascates e o Bocaína.

Mirante do Bem: é uma trilha fácil segundo os guias e leva a um mirante onde dá pra ver a Cachoeira da Farofa e uma visão privilegiada do parque.

Circuito das lagoas: também não fiz, mas é uma trilha leve de 2km

Cachoeira da Farofa: esta daí eu fiz, é uma trilha bem bonita. São 6km de caminhada e o parque indica que pode ser feito em quatro horas. É uma queda de água super bonita, que pode ser apreciada já de longe, na verdade fiz esta trilha de bike junto com o Canion Bandeirinhas, ao contrário do Capão dos Palmitos, percebi que esta trilha é bem mais concorrida, pois a cachoeira estava lotada. Mas vale a pena!! Tem um poço lindo pra nadar, rodeado por muitos pedras onde a galera faz lanche, descansa e toma sol. Dá pra chegar até a queda e relaxar com a água batendo nos ombros.

Cachoeira da Farofa
Cachoeira da Farofa

Canion Bandeirinhas: bom, pra mim foi o passeio TOP na Serra do Cipó, aluguei uma bike no centrinho, pedalei até o parque e depois até o canion. O caminho é bem aberto e propício à bicicleta. É um passeio super contemplativo, onde terá visuais lindos de montanhas e rios. Aqui sim se percebe que está num jardim natural. Muitas plantas diferentes e coloridas.

Capim Dourado
Capim Dourado

Eu levei uma hora e meia de bike até o canion, são 22km, a pé a previsão é que leve umas 6h ida e volta. A dica é que se faça de bike até o Rio Mascates e depois seguir mais 2km a pé. É que depois do rio (lembre-se que terá que cruzá-lo) a trilha é muito ruim para pedalar.

Atravessando o Rio Mascates
Atravessando o Rio Mascates

O Rio Mascates é lindo, cheio de pedras, e onde atravessamos a água não passa de 10cm, é transparente e aqui vale a pena tirar várias fotos. Também é um ponto legal para se refrescar.

Onde aluguei a bicicleta me indicaram um cadeado, não é que tenha roubo, mas me falaram de “espertinhos” que estão a pé, aí pegam a bike e largam na portaria, seria tipo um “meio roubo”.

O Canion realmente impressiona pela beleza e grandiosidade. Dois paredões rochosos se elevam desde um poço de água cor caramelo.

E aí, valeu a trilha ?
E aí, valeu a trilha ?

Também tinha pouca gente no canion, tanto é que estou sozinho naquele “poção”.

Mas é uma trilha difícil ? Vamos lá: fazia uns quatro anos que não pedalava e estou um pouco acima do peso. Logicamente cheguei moído, mas muito menos do que esperava, o saldo total foi esse:

  • caminhada de 3k  da pousada até a loja do Regis para alugar a bike
  • pedalada de 4km até o parque
  • pedalada de 22 km ida e volta ao Canion
  • desvio de 5km para conhecer a cachoeira da Farofa (fiz na volta do canion)
  • pedalada de 4km até a loja para devolver a bike
  • caminhada de 3km até a pousada
  • um pastel
  • um caldo de cada
  • dois latões de cerveja

Saldo final:

Caminhada: 6km

Bicicleta: 35Km

Portaria Retiro

Algumas referências que coloco aqui no blog são simples, mas funcionam em lugares pequenos como a Serra do Cipó, o acesso à esta portaria se dá pela rua da Padaria Cipó, tudo mundo conhece lá.

Mas não é pertinho, tem que subir uma rua íngreme e acho que são uns 4Km aproximadamente. Aí apelei para a boa e velha carona com o dono da pousada. Ao contrário da entrada Areias, aqui não rola ir de bike, pois as trilhas são mais fechadas e com mais obstáculos.

Notei que esta entrada tem bem menos estrutura que a Areias, porém logo ali no início os guias são super solícitos em dar quaisquer tipos de informações.

Atrações nesta portaria:

Mirante: logo no início da trilha, tem uma saída e em 100m se chega a este mirante. Vale a pena, se bem que a subida é bem íngreme. Lá de cima tem uma estrutura de madeira onde dá pra ver parte da Serra do Cipó.

Mirante
Mirante

Pra quem não vai encarar as trilhas mais longas, é legal dar uma volta por ali.

Bambuzal: um pouco mais a frente, chegamos ao Bambuzal, é uma praia com direito a areia. O rio, rasinho naquela parte do leito possibilita bons banhos, é um lugar super tranquilo e bastante procurado para quem não quer andar muito.

Prainha no Bambuzal
Prainha no Bambuzal

Cachoeira do Gavião: bom, para chegar até aqui são 7km de trilhas. De novo, posso afirmar que a trilha é bem bonita, sempre margeando o rio Bocaína. No caminho encontramos várias nascentes e pequenos córregos.

A trilha é bem aberta e o visual compensador. Muitas vezes conseguimos ver o rio à nossa direita e em outros momentos caminhamos por campos de altitude em meio a um vale.

Em alguns trechos da trilha tem areia, como de praia mesmo, e esta areia branquinha constrasta com o verde das montanhas e com flores que encontramos durante todo o caminho.

Novamente tive muita sorte, cheguei na cachoeira sozinho e pude ficar assim por uma hora, até que outros turistas começaram a chegar. É um poço bem bonito, clarinho, que quando o sol bate fica verde. A queda de água não é muito grande, mas com certeza é um local idílico. Em boa parte do poço o chão é de areia o que facilita nadar e relaxar.

Paz na Cachoeira do Gavião
Paz na Cachoeira do Gavião

Cachoeira do Tombador: a ideia inicial era chegar nela, mas relaxei tanto na Cachoeira do Gavião que desisti, assim tenho desculpa pra voltar.

Cachoeira das Andorinhas: voltando em direção à portaria do Parque peguei a trilha sentido à cachoeira das Andorinhas. Este caminho é um pouco diferente das demais, pois tem muita pedra e você terá que ir saltando pelos obstáculos. Nada tão difícil, mas um pouco cansativo. A cachoeira é maior, tem aquela água caramelo e parte do poço é profundo. Tem um lugar ali onde a galera salta, eu não arrisquei.

Pedras no caminho
Pedras no caminho

Bom, depois de mais um banho de cachoeira voltei em direção à saída feliz da vida com o dia incrível que tive.

As trilhas aqui não tem um objetivo final, o percurso todo vale a pena, sempre tem algo bonito pra ser ver: seja o rio, uma nascente ou uma montanha.

Dicas:

  • Fiz um roteiro de 3 dias e me dediquei exclusivamente ao parque, porém tem atrações fora deste como o Véu da Noiva e a Cachoeira Grande
  • Fui de ônibus, mas com certeza um carro ajuda muito.
  • Leve sempre água, frutas e lanches na trilha, não tem nada por lá
  • Se curtir bicicleta, alugue uma para fazer o Canion Bandeirinhas e a Cachoeira da Farofa

O que faria se tivesse mais tempo ?

Realmente fiquei encantado com a região, tem muita coisa a fazer, dá pra ir pra Conceição do Mato Dentro e conhecer a Cachoeira do Tabuleiro, bem como fazer a travessia da Serra do Espinhaço.

Em Lagoa Santa tem o parque arqueológico que também deve ser interessante.

Enfim, é uma região com muitos atrativos que daria para preencher tranquilamente uma semana.

Como foi minha viagem:

Viajei no feriado da semana Santa, saí de Campinas na quinta a noite de carona e cheguei em BH a 1 da manhã. O primeiro ônibus pra Sera do Cipó sai as 6. Cheguei as 8:30 e no primeiro dia fiz o Capão dos Palmitos e a tarde fiquei relaxando na piscina da pousada.

A noite, tem uma vilinha com vários restaurantes e até bistrôs. Um lugar bem gostoso para tomar umas cervejas e jantar.

Nos segundo dia voltei ao Parque e fiz o Canion Bandeirinhas e cachoeira da Farofa.

No terceiro dia fui até a outra portaria do parque para conhecer o mirante, Bambuzal, Cachoeira do Gavião e das Andorinhas.

 

Compartilhar:
12 comments Add yours
    1. Olá Carlos

      Obrigado pelo comentário.
      Gostaria muito de conhecer a região e divulgá-la aqui no blog.
      Abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *